O LIVRE ARBÍTRIO E OS BURACOS



Todos têm seus compromissos, suas responsabilidades, seus acertos e combinados.  Todos em maior ou menor grau devem saber de suas responsabilidades. Todos os seres humanos e também os animais, em tese possuem sensibilidade para reconhecerem seus compromissos. Os práticos e os invisíveis. Temos compromissos práticos, agendas, horários, trabalho, metas, desempenho... E temos os invisíveis: os resgates, a compaixão, o apoio, a caridade, a solidariedade, a afeição, a proteção e o aprendizado.
Por outro lado, temos o livre arbítrio. Ele está quase na camada da intuição, porém se manifesta pela razão. Através do comportamento manifesto é possível a um observador mais cuidadoso identificar a maturidade do livre arbítrio, o próprio principalmente. E é aí que se saltam aos olhos os buracos. Os buracos ficam no lugar onde o livre arbítrio funcionou inadequadamente. O ser, que faz parte do todos, inicialmente intitulado neste texto, usou seu livre arbítrio para escolher a estrada errada.  Meu poeta favorito disse:
“Nada mais vai me ferir
É que eu já me acostumei
Com a estrada errada
Que eu segui
E com a minha própria lei”
Mas os buracos... Russo não contava com os buracos. Eles ficam como rasgos na alma e no coração, como queimaduras profundas e mesmo que sejam soterrados por restos de construção, que aqui podemos entender todo o bagulho do dia-a-dia, incluindo os falsos prazeres e as ilusões, ficam, fortes, as cicatrizes das quais o ser não poderá mais se livrar.
O livre arbítrio o levou para a estrada sem volta e passará o momento de não entrar. Não há retornos. Só na próxima jornada. 
Uma reflexão apressada, numa manhã de sábado.
Glaucia, hoje, agora.

Postagens mais visitadas