segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

A MORTE

Alguns seres humanos, diante da morte ficam loucos, outros passivos e conformados. Há quem fique prático e quem fique subjetivo. Quem cospe e quem faz poesia.
"Para alguns, com a morte acaba-se tudo, para outras apenas começa-se tudo."
Pelas manhãs, bem cedo são solidão na multidão ou multidão cega na madrugada.
Para muitos o sono não vem, outros se vão nos sonhos.
Há gente de todos os tipos. Os irônicos e os inconformados.
"O mundo é um moinho" para mestre Cartola, ou apenas um grande caleidoscópio para alguns mortais.

sábado, 23 de fevereiro de 2013

LEMBRANÇA



A lembrança de um quase amigo que pensei que quase admirei. Na vida decepção é mato do dia-a-dia e ainda bem, que neste caso só sinto mesmo  a perda de uma potencial amizade, bons papos, boas poesia, boa arte. Ninguém doa o que não tem e a moral da história é que devemos aprender a não ganhar todos os amigos que desejamos. Ainda bem que esta é (só) minha primeira vez.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

QUERO


QUERO

Quero...
Divertir-me mais
Rir mais

Olhar de frente e francamente
Não ter que baixar a vista (mas levantar o rosto),
Nem engolir sem gostar do gosto.

Quero dizer o que penso sem tambores de reprimenda
Falar bobagens sem compromisso com  precisão
Tomar um chope sem pensar no horário de ir pra casa.

Quero dançar um samba do meu jeito desengonçado
Tomar uma taça de vinho numa manhã de domingo
Rodar a cidade para encontrar uma massa e acabar num sanduiche de praça de madrugada.

Quero gritar dentro do carro com os vidros abertos
Ouvir um som bem alto com a música que gosto
Seja clássico, sertanejo ou “pankadão”.

Quero rezar para os anjos me protegerem
Acordar pela manhã com a certeza de "já fui atendida"
Passar o meu dia embriagando-me desta grandeza.

Quero falar bobagens com amigas pela internet
Protestar contra  ideias que não concordo...
Dizer cobras e lagartos para quem me ofende!

Quero ousar o permitir-me.
Gozar minha plenitude
Simplesmente viver

G.R. 

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

PEDRAS



Até as pedras se relacionam... 
Mesmo as pedras sofrem as transformações de seus relacionamentos. Inclusive as pedras rolam, vão e voltam em seus lugares. 
As pedras não podem falar, discutir o que esperam do tempo ou do vento, isto e coisa de "gente humana", mas elas se posicionam como mais fixas ou mais móveis. 
Elas as vezes se deixam soterrar para se firmarem como em um processo parceria. 
É, acho que as pedras apenas não choram pois não esperam respostas.
glaucia - fevereiro-2013

BERÇO AZUL

És a minha alegria, Na simplicidade infantil de minhas crianças És me esperança e inteireza Em seu solo macio sou vida Em seu ar desaf...