quarta-feira, 26 de junho de 2013

A DANÇA

O bem da vida é a cor, a dor, o pôr
O por do sol, o porquê, o por depois.
Depois, a primavera...
Esperanças, andanças..
 Levantas e danças
O bem da vida é o caminho, o ninho, o perdão.
O não é o sim, a cor é o carmim, assim
Sempre assim!

Glaucia

domingo, 16 de junho de 2013

PALAVRAS



Precisam ser sentidas
Saltitadas
Enamoradas
Cada frase seu ritmo
Cor e Movimento
Fazer sentido
Ainda que no balanço do barco
Não quebre ondas na busca do entendimento
Palavras são para dançar
Esfumaçar
Fazer sonhar

SEM ADIÇAO



Um poeminha sem edição (com muita adição) e sem revisão,
De domingo a tarde,
Para quem teria apenas um amante torto se torto não o fosse.
É que meu coração
Te caça
Prende
Amassa
Te perde
E te acha
Te maltrata
Te mata
E abraça
Meu coração
Te sangra
Cura
E procura
Beija-te
Sonha-te
Te chuta
Ou chupa
A culpa
E adormece
Adoece
Endurece
Amolece
E “emburrece”
E para isto serve poesia
Para pensar tantas coisas!
E acrescentar:
Meu coração
Usa-te
E abusa,
Se lambuza
Assusta-se
Foge
Sentido
Voa-se
Vivido
Morrido
Sofrido
Transferido...
Queima-se, acontece, amanhece, consome-se errante.

sexta-feira, 7 de junho de 2013

MAIS SOBRE PARTES


Uma parte de mim quer, a outra recua. 
Uma parte socorre, a outra é abandono. 
Uma parte de mim, silencia e a outra também. 
Uma parte segue para o portal e arrasta a outra. 
Uma parte sofre, a outra tem esperança. 
Uma parte sonha, enquanto isto a outra se esvai. 
Andanças, quimeras, andanças. 
Assim sem rumos, raça, 
Escondida nos morros ou sob o espinho da flor.

Dedico ao meu terapeuta, um pequeno grande homem danado de profissional, 
cujo trabalho e dedicação são impagáveis!

domingo, 2 de junho de 2013

CONVERSA DE AMIGOS


  • Quantas perdas!
  •  A vida neste mundo é assim, né? Estamos todos aqui transitoriamente
  •  Penso na minha própria transitoriedade. Minha transitoriedade esta demorada 
  •  Temos que ter sempre motivos grandiosos para viver. Por isto vivo com intensidade. Para dar conta da dureza da vida
  •  Precisamos de ideais. Não sei como tem gente que vive de deu em deu
  • Temos a libido e a agressividade. Assim Freud nos definiu energeticamente. Energia criadora e agressividade
  •  Note as pessoas que são só amor, ternura: Sofrem mais
  •  A agressividade serve para termos firmeza, abrirmos caminhos.
  •  O ideal é crescermos no amor e na razão, na fé e no conhecimento.
  •  Sou um livre-pensador, de coração, de alma e ate de corpo para dar conta de entender o mundo e a mim mesma
  •  Entender não, aceitar.
  • Tenho espírito inquieto e rebelde e sofro demais com isto. Esforço-me e confesso: Há anos venho me polindo e me dobro a força as vezes
  •  É, às vezes estou morrendo, me arrastando e lutando. Isto cansa
  • Talvez o segredo esteja exatamente em parar de lutar
  •  Acho que isto é uma prisão, ou será quase libertário?
  • O segredo, creio, está na entrega a Deus 
  • Você sabe rezar?
  • Acho que sei
  • O detalhe é que Ele está DENTRO de VOCÊ. Procurá-LO fora é bobagem. A Luz Divina está em todos nós.
  • E se manifesta através de nós. Um dia você, noutro eu.
  • Tenho um vulcão que não se aquieta nunca. Meu vulcão me afasta de deus
  •  Tenha fé em Deus, tenha fé na Vida, disse o velho e bom Raul Seixas

"SEM VOCÊ EU NÃO SOU NINGUÉM"

Uma das mais belas canções que já ouvi.

Assista aqui

Samba em Prelúdio
Vinicius de Moraes

Eu sem você não tenho porque
porque sem você não sei nem chorar
Sou chama sem luz
jardim sem luar
luar sem amor
amor sem se dar
E eu sem você
sou só desamor
um barco sem mar
um campo sem flor
Tristeza que vai
tristeza que vem
Sem você meu amor eu não sou
ninguém
Ah que saudade
que vontade de ver renascer
nossa vida
Volta querido
os meus braços precisam dos teus
Teus abraços precisam dos meus
Estou tão sozinha
tenho os olhos cansados de olhar
para o além
Vem ver a vida
Sem você meu amor eu não sou
ninguém
Sem você meu POETA eu não sou
ninguém

MEIO GENTE, MEIO FELINO

Vejo que o tempo não esta sendo gentil com você. Está envelhecida, frágil e triste. Seu corpo se curva lentamente, sua pele perde a elasticidade e seus olhos, já não brilham mais. Quieta, silenciosa, discreta não reclama de dores.

O tempo não é gentil com ninguém de fato. O que nos faz superar esta verdade é a natureza gregária de todos os seres vivos. Esta natureza nos faz juntinhos para nos fazer mais forte

Talvez sejamos como os gatos que conforme a lenda, vão para longe de seus donos amados em busca de um local seguro e aconchegante para morrerem sós.

Dizem que esperam que a chuva lhes restituam à natureza evitando que seus corpos sejam estorvos ou motivos de tristezas.

Nobre realeza, meio gente, meio bicho, meio felino

BERÇO AZUL

És a minha alegria, Na simplicidade infantil de minhas crianças És me esperança e inteireza Em seu solo macio sou vida Em seu ar desaf...