ALICE'S



Tarde de domingo, baforadas de ar quente, ardem os olhos... Janelas abertas fazem com que  cortinas dancem ao ritmo das rajadas de vento , suaves, refrescando os suores por alguns rasgos de segundos. Quem sabe fossem abertas as paredes? Porém percebo que talvez tenha sido aberto o chão. Experimentamos as baforadas  do inferno ou do núcleo da terra. O que deve ser a mesma coisa, que provoca o mesmo mal estar.
Enquanto isto, no país das maravilhas, Alice se diverte. Sonha com futuro prospero, sonha que é feliz, tipo samba de Zeca Pagodinho em roda de churrasco tupiniquim, na laje sabe?  Vida de Alice dá samba.  “Judia de mim. Mas o amo tanto assim, que nem me importo”.  Alice é sábia.
Ela  sabe que o coração humano é lugar sem lei, não há sondagem, nem caminhos, não existem saídas.  É terra de ninguém, portanto não pode ser controlado, acelerado, parado, vigiado. O coração humano só pode mesmo bater no ritmo cadenciado, como bateria de escola de samba descendo avenida da vida. Vivendo a  vida vivida, oferecida pelo  Pai Maior, que para tantos passa em preto e branco.
A nossa Alice Tupiniquim, ou até poderia ser a Polyana (personagem infanto-juvenil de Eleanor H. Porter),  procura “ver” a vida do ângulo positivo. Como em um caleidoscópio, gira e gira e gira, para encontrar as melhores imagens. Talvez esta seja a melhor metáfora para liberdade. Uma sequencia de imagens, provocadas por movimentos aleatórios.
Mas como tudo certamente não cor de rosa, existe uma tristeza, a imagem anterior nunca mais volta. Será sempre nova e as  Alices ou as Pollyannas, também Eu e Você continuaremos no samba de roda, na roda de samba, andando em círculos, ou seria dançando, jogando o jogo do contente ou quem sabe seguindo o conselho da Rainha Vermelha: "É preciso correr tudo o que você puder, para se manter no mesmo lugar. Se você deseja ir em outro lugar, você deve correr pelo menos duas vezes mais rápido que isso!"
Glaucia
Set. 2012

Postagens mais visitadas