REI DE NADA

Rei de marginais,
Sua coroa é de  latas
Seu manto feito de trapos
Seu castelo... são  bueiros e calçadas
Seus súditos, os drogados, alcoólatras e sem rumos
Rei de esfarrapados e desvalidos
Perdera-se nos caminhos! Andas em círculos!
Não vive, não sente, não precisa
Seu corpo não faz sentido, sua cabeça se liga ao nada
Recolhe-se sozinho para a morte longe das vistas dos seus?
Como se nada existisse, como se existisse apenas o nada.

Postagens mais visitadas