UMA JANELA AMARELA



Silêncio... 
Silencia toda uma alma. Ou duas. Ou seis? 
Ouçamos o canto da noite, o uivo do vento, a movimentação dos seres invisíveis na mata negra!
Criaturas divinas celebram a vida
Vultos transformam-se em sombras gigantes  cobrindo toda a floresta, nua, crua e imensa 
(nú, cru, mágico!)
Depois o desfazer-se no brilho de pequeninas estrelas famintas de luz.
No interior, o calor. 
Sensações, cheiros e emoções extra-humanas exalando  vida. 
Primeiro o cheiro ácido do vegetal, depois o cheiro doce animal.
De repente, o verde rasga o céu cega  os olhos e idem as lentes de minha câmera, que se recusa profanar o santuário. 
Pequenos róseos, amarelos, vermelhos dançam como  falenas coloridas diante do sol.
Camada branca de orvalho banha-me os pés. 
Pássaros me dominam o espírito com seus cantos e assobios em sinfonia.   
Os cães se refestelam ao sol (e eu)
Eu! Choro baixinho com olhos postos em uma janela amarela.
por glaucia ribeiro em 10 de março de 2013

Postagens mais visitadas