MORTE EM PEDAÇOS


Ronda-me à morte de uma vida
Morre um nascer dos dias
Sonhos inteiros,
Uma morte inteira,
Sem vida.
Pedaços mutilados de uma vida inteira
Sem mortes.

Sonda-me a ousadia dos viveres
No espetáculo da crisálida,
Que morre lagarta
Nasce borboleta!
Descerro-me  numa barra do dia,
Leve  luz
Traz  noite, magia.

Postagens mais visitadas